sexta-feira, 14 de agosto de 2009

PROCESSOS DE APRENDIZAGENS...

As observações aqui pontuadas pretendem aprofundar em uma perspectiva dialógica e mediadora o desenvolvimento da 5ª turma do Curso de História e Cultura Indígena e Afro Brasileira no ensino fundamental e médio, na disciplina Educação e Contemporaneidade.

A proposta apresentada pela Professora Josely Muniz visou oportunizar a turma, em muitos momentos de expressão de idéias, e retomar dificuldades referentes aos conteúdos introduzidos e desenvolvidos. A realização de trabalhos em grupos trouxe a possibilidade de auxílio mutuo frente às dificuldades (princípio de interação entre os iguais), tentando garantir o desenvolvimento de cada pessoa, estimulando o entendimento de novos conceitos trazidos em cada aula.

O programa propôs em cada etapa tarefas relacionadas com as anteriores, numa graduação de desafios coerentes apresentados ao longo do processo.

Acreditamos que o desafio maior para a turma foi converter a tradicional rotina de atribuir conceitos classificatórios às tarefas (leitura superficial dos textos, pouco envolvimento com o propósito, a falta de entendimento por parte de alguns, pouca interação e participação qualificada nas aulas). Calculando notas de desempenho final. O que causa estranhamento é que se trata de uma turma de especialização e ainda percebemos memorização no lugar de aprendizado, cumprimento de tarefas no lugar de compreensão, passividade no lugar de participação; posturas inconciliáveis com a formação de “Especialistas”!

Vale ressaltar que tal postura “a priori” nega a vivência necessária a qualquer pessoa, para evoluir no processo, no entanto, “... ninguém foi educado para isso. Não vai vir tudo curtinho. O processo da reflexão do adulto também tem uma evolução”. (Freire, M. 1989, p.6)
Referências:
FREIRE, Paulo. Primavera Madalena. Prefeitura Municipal de Educação: Porto Alegre, 1989.

5 comentários:

  1. Nossa, que bonito! Quem escreveu isso?

    ResponderExcluir
  2. Estamos, indubitavelmente, num momento singular do processo histórico, este em que as certezas são todas abaladas e há a possibilidade de vislumbrar novos caminhos, que é o que ocorre quando experimentamos uma ruptura do paradigma civilizatório. Um mar de possibilidades está à nossa frente, faremos escolhas como fizemos, enquanto humanidade ocidental, na construção do paradigma moderno. Deixaremos coisas do lado de fora, mas agora sabendo que as estamos deixando, com a percepção de que não há certezas garantidas, mas possibilidades. No embate entre as escolhas, o possível e as circunstâncias estaremos dizendo o que estamos sendo enquanto humanidade e deixando vestígios.
    Na perda da certeza pedagógica eclode o ser-projeto, sujeito do processo e a tranquilidade de que a construção é de cada um no confronto e no conflito com a rede de relações na qual está imerso e na estrutura de significados que daí advém.
    A mudança conceitual na visão do mundo e que exige uma mudança radical (no sentido filosófico) dos processos educativos, impõe,a rigor, uma nova epistemologia do sujeito que aprende. O que ocorrerá na tessitura com o tempo.
    Josely.

    ResponderExcluir
  3. Aline Nepomuceno - Psicopedagogia20 de agosto de 2009 14:38

    De fato precisamos dialogar com o conhecimento, tece-lo, construi-lo e reconstrui-lo, e isso demanda tempo e determinação.

    Em breve editarei o blog da minha equipe do curso de Psicopedagogia - turmas 8 e 9.

    Espero que a turma, e particularmente eu, estejamos no caminho da busca e construção e não da mera reprodução.

    Sucesso ao grupo Argumento pela seriedade e competência profissional.

    ResponderExcluir
  4. Prof Josely,

    É um fato que estamos num momento de ruptura, mas, às vezes, tampamos os olhos para isso, e, simplismente, ignoramos. Todavia, já estando consciênte disso não podemos mais voltar atrás..

    ResponderExcluir
  5. Aline,
    O grupo agradece a sua visita, assim que seu blog estiver pronto mande-nos o link que visitaremos e comentaremos. Dialogar e discutir esse conhecimento é de fundamental importância tanto para a profissão e estudo, como também para a vida.

    ResponderExcluir